Fugas

eu-ja-tentei-fugir-mais-vc-n-sai-da-minha-cabeca

 

  • Eu estou percebendo que não estou resolvendo o meu problema.

  • Concordo.

  • Mas e então, o que você me diz?!

  • Sobre o que?

  • Sobre isso… a terapia não está me ajudando.

  • Fato, concordo com você. Tenho ouvido muito você falar e também vejo que não estamos indo ao ponto.

  • Então porque você me deixa falar?

  • Estou esperando o momento em que você vai parar de ficar falando de amenidades e começar a falar sério sobre você.

  • (Silêncio) Eu acho que está na hora de começar mesmo.

  • Já não era sem tempo.

 

Em terapia, muitas e muitas vezes ouço as pessoas falando sobre trivialidades. Obviamente, as sessões começam com elas: “está frio hoje não”, mas à medida em que o tempo passa as pessoas começam a falar daquilo que importa realmente. Outras não.

Fugir, esquivar-se são os termos que usamos para descrever o comportamento que temos quando estamos evitando falar de um tema, entrar numa determinada emoção ou ter algum comportamento. Mas porque fugimos? O que fazer com isso?

A fuga, em geral, tem a ver com a nossa sensação de incapacidade de lidar com determinada situação. Quanto mais competente a pessoa sente-se para lidar com algo, menos ela precisa fugir ou esquivar-se daquilo. Algumas vezes o problema é a situação, outra vezes a emoção que a pessoa sente, ou seja, ela até sabe o que fazer com a situação, mas não consegue lidar com a emoção que fazer o que tem que fazer despertará nela. Assim, a esquiva das emoções pode ser um outro motivo.

É importante lembrar que a esquiva e a fuga não são “ruins” por si, elas são comportamentos que visam resguardar a pessoa, são defesas e, muitas vezes, são bem-vindas. Recomendo, vez ou outra que alguns clientes em determinadas situações realmente se esquivem delas, deixem de lado – durante um tempo – a responsabilidade de lidar com um ou outro aspecto importante de suas vidas.

O problema surge quando a esquiva torna-se o comportamento padrão. Porque? Porque isso significa que a pessoa não vai aprender o que precisa para lidar com a situação que está precisando enfrentar. Quando solicito de meus clientes que se distanciem um pouco é justamente para ajudá-los a adquirir as competências necessárias para voltarem lá mais sábios e lidarem com a situação. Quando a pessoa não sai da esquiva ou da fuga, temos um problema, visto que em muitas situações ela não poderá se esquivar para sempre.

O primeiro passo é perceber que estamos nos esquivando. Ter a sinceridade de nos dizer: “estou fugindo disso” e frear o impulso de fugir, buscando organizar-se para lidar com o problema. O segundo é justamente esse: aprender a lidar com a situação percebendo do que fugimos de fato, o que nos motiva à fugir e como, de fato, lidar com isso ao invés de permanecer na fuga. A terceira parte é o futuro enfrentamento depois da preparação, ou seja, ir e resolver a situação.

Existem vários motivos pelos quais uma pessoa não aprendeu a lidar com determinada situação e não caberia aqui enumerá-los, o mais importante talvez seja deixar a mensagem de que você não deve se culpar por fugir ou ter fugido de determinada situação, mas sim de perceber isso e perguntar-se até quando você vai querer se manter insuficiente sobre esta situação.

Abraço

Visite nosso site: http://www.akimneto.com.br

2 Respostas

  1. Comigo foi exatamente assim, comecei a fazer terapia, ir ao psicólogo, acreditando que minha vida mudaria e todos os meus problemas se resolveriam da noite para o dia. O que, claro, não aconteceu. Desisti em três meses. Buscamos respostas e somos ansiosos demais para conseguir admitir que elá está dentro de nós.

    Curtir

    • É, 3 meses é pouco mesmo. Para alguns problemas às vezes resolve, mas, em geral, não é bem assim.
      As pesquisas nos mostram que, em média, as pessoas começam a fazer mudanças em torno de 24 sessões (6 meses). Porque “demora”? Porque passamos anos criando um repertório de comportamento (interno e externo), até compreender o repertório, começar a efetuar as mudanças e colher os novos resultados para fixar a mudança demora um pouco.
      Agora, se entendermos que forma-se um comportamento ao longo de 10, 20, ou 30 anos e que em terapia começa-se a mudar isso em torno de 6 meses…. nem é tão demorado assim né?!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: