O próximo passo

5-alice_pg-24_img-10-pintado

  • Estou empacado sabe?

  • Como assim?

  • Agora que eu sai da casa dos meus pais e estou com um emprego bom estou me sentindo estranho.

  • Estranho como?

  • Ah.. parecia que isso era tudo o que eu precisava fazer, mas agora parece que não.

  • Entendo. E o que parece?

  • Pela primeira vez na vida eu não sei muito bem o que fazer entende? Eu pensei que agora eu ia me sentir muito bem, mas não me sinto assim.

  • Sente-se mal?

  • Também não… é estranho… eu até consigo ver que existe um futuro, mas não sei ir para este futuro.

  • Entendi… Quem é você agora?

  • Como assim?

  • Quem é você agora que saiu da casa dos pais e tem um bom emprego?

  • Não sei… um cara bem sucedido?

  • Não sei, é isso?

  • Ai Akim, pergunta difícil!!

 

Uma boa parte do processo de terapia consiste em ajudar a pessoa a resolver seus problemas pessoais. Nesta fase pressupõe-se que existe um problema que já está instalado e a pessoa, em geral, vê-se como vítima deste problema ou inferior à ele. É o momento de perguntas mais práticas, de criação de repertório comportamental, de compreender os elementos mais importantes para a resolução doo problema além do problema em si.

Neste momento a pessoa identifica-se como alguém que precisa resolver o problema. A sua salvação está ali. É uma guerra, uma luta contra alguma coisa que, de alguma maneira, a impede de ser feliz. Existe muita raiva, muita revolta, fala-se muito sobre o que se passou buscando por explicações e justificativas sobre “tudo o que aconteceu”.

Depois que este momento passa e os conflitos se resolvem a terapia entra num segundo momento muito mais rico do que o anterior que é quando a pessoa aprendeu a lidar consigo e com o seu meio ambiente. Ela, agora, compreendeu a sua parte nos seus problemas e conseguiu criar novas maneiras de se comportar, de pensar e de sentir que a ajudaram a resolver situações ruins.

Este momento é marcado, muitas vezes por uma sensação estranha de incompletude. As pessoas dizem “eu pensei que estaria melhor agora, mas estou neutro… é tão estranho isso”. Na verdade, não é estranho é algo bem comum. Ocorre que toda a revolta e raiva que existia sobre as situações anteriores desaparece porque a pessoa aprendeu a lidar com aquelas situações. Quando isso desaparece através do aprendizado vem a pergunta: porque era necessária tanta raiva então? Porque era necessária tanta tristeza? E a resposta dura que a experiência da pessoa traz é: “não era”.

Este “não era” invalida algo muito importante sobre a pessoa: a sua percepção de “eu”, a sua identidade. Invalida porque? Porque a identidade estava alicerçada numa crença de que ela tinha que ser infeliz por causa dos problemas que tinha. No entanto, quando ela resolve os problemas, precisa ser infeliz porque? A pergunta não faz mais sentido e é por esta razão que a noção de identidade fica perdida. Ela não é mais a vítima, a pessoa perdida, aquela que não vai dar certo.

Mas então, o que ela é? Essa é a pergunta que precisa de resposta. Organizar uma nova visão de si, uma identidade alicerçada nas competência que foram desenvolvidas, no sucesso que a pessoa teve, nos desejos que tem e na vontade de viver que ela organizou dentro de si. Isso é deixar uma identidade de “remediação” para trás e criar uma identidade de “criação” de novos caminhos para frente.

Quem é você? A dor do seu passado ou as possibilidades do seu futuro?

Abraço

Visite nosso site: http://www.akimneto.com.br

8 Respostas

  1. Muito bom!!!!

    Curtir

  2. PERFEITO!!!

    Curtir

  3. Excelente reflexão e não é fácil dar o próximo passo, mas é tão gratificante quando se consegue iniciar uma nova caminhada com as próprias pernas sem muletas, sem desculpas e sem culpas.

    No início se perde a “base” que não era uma base sólida e que trazia consigo sofrimentos secundários para garantir um falso equilíbrio doentio.

    Somente quando se consegue entrar em contato com a sua verdadeira identidade, se conhecendo e se aceitando como um ser com características distintas é que se consegue dar o próximo passo.

    É preciso aceitar que problemas virão, e que as pessoas não são felizes ou tristes o tempo todo, as emoções fazem parte da vida e nos dão equilíbrio.

    O grande lance é a abertura para o novo e aproveitar todas as oportunidades para se obter um crescimento em todos os níveis, pois como dizia o poeta Vinícius de Moraes ” A vida só se dá prá quem se deu, prá quem amou, prá quem chorou , prá quem sofreu”.

    Outro aspecto importante é termos metas e traçar um caminho para alcançá-las e acreditar que é possível.

    Curtir

    • Oi Janette!
      Obrigado pelo comentário excelente!
      Concordo com você, precisamos nos abrir para o novo, para o “nosso novo”, a nossa nova essência, o nosso vir a ser.

      Curtir

  4. ótima reflexão! realmente, a reconstrução do eu é algo doloroso para o cliente!
    é difícil aceitar as mudanças exigidas pela vida e a terapia auxilia no processo de adaptação e construção!

    Curtir

    • Oi Júnia!
      Que bom que você gostou!
      Sim, reconstruir não é só prazeres e por isso a terapia se faz importante!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: