Inferioridade

sentimento-de-inferioridade-pode-ser-um-complexo-2

  • Pois é Akim… não sei o que acontece… eu fiquei muito braba com eles.
  • Bem, pra mim é claro. O que eles disseram mesmo?
  • Que não sabiam se ia dar certo a minha ideia.
  • E você se sentiu como sobre o comentário?
  • Como se eles estivessem desmerecendo sabe?
  • E como esse comentário estaria fazendo isso?
  • Hum… não sei… falando que eu não sei saber sabe?
  • Sim. E portanto você é…
  • Incompetente… ai que raiva!!
  • Pois é… mas será que eles estão te chamando de incompetente ou simplesmente dizendo que não sabem se “a ideia” dará certo?
  • É né… eu fico muito preocupada com essas coisas…

 

Inferioridade é a característica de quem é inferior. “Inferior” é uma comparação entre dois elementos sendo que um é inferior ao outro. A inferioridade pode ser de tamanho (maior ou menor), de qualidade (melhor ou pior), de velocidade (mais ou menos rápido), enfim de várias “ordens”. Porém o elemento básico da inferioridade é sempre a comparação entre dois elementos.

Pessoas que fazem muitas comparações em geral entendem o mundo num sistema dual: os que ficam acima e os que ficam abaixo. Obviamente elas não desejam estar no segundo grupo. Porém o problema é que sempre tem alguém “mais” do que você e como só existe acima ou abaixo a coisa se complica. Embora as comparações sejam um grande peso, elas, por si sós não causam o dano completo, precisam, ainda de mais um elemento: o julgamento.

Não é “apenas” a questão de ser “menos” que o outro, mas, também, a questão do que isso significa para a pessoa. Ser “menos” em geral se associa com humilhação, com fragilidade, com estupidez e com falta de merecimento. Esses julgamentos podem ser construídos pela relação familiar ou social e depois de um tempo a pessoa introjeta nela e segue acreditando nestes valores.

A crença nestes valores torna as outras pessoas adversárias num jogo que nunca acaba bom para vencedor. Primeiro porque ele nunca irá “vencer todos” e segundo porque se o fizer se encontrará sozinho, como diz a literatura “rei de uma terra de mortos”. Esta percepção de que o mundo é uma disputa torna a pessoa insegura visto que precisa estar sempre dominando para não ser dominada e estar sempre em disputa com tudo e com todos.

Esta disputa é o motivo pelo qual a pessoa torna-se agressiva – mesmo que seja uma agressão passiva – e tende a criticar as pessoas (e a si também), ter algumas atitudes impulsivas, ser metódica e controlada, isolar-se dos grupos sociais e de situações que sejam expositivas. Vencer esta disputa significa provar que ela não é inferior. É importante perceber que a maior parte das pessoas que sentem-se inferiores querem se provar “não inferiores”, o grande problema desta necessidade é que mantém a pessoa dentro do jogo.

A solução, de fato, para essa condição não é mostrar-se inferior, superior ou “não inferior”, mas sim sair do jogo e das classificações injustas que ele coloca sobre a pessoa. Porque injustas? Porque julgam a pessoa pela capacidade. Tratam o “ser” pelo “fazer”. Ora, uma pessoa pode ter uma inclinação boa para esportes enquanto outra não e isso nada significa sobre a personalidade destas duas pessoas, assim sendo julgar a personalidade de quem é bom ou ruim no esporte apenas por esta característica é um grande erro.

Esse é o erro básico da pessoa que sente-se inferior ou insuficiente: achar que quem ela é está sendo medido com base no quão boa ela é em outras esferas. “Sair do jogo” significa entender este conceito e viver a partir dele. A competência de uma pessoa em uma área não diz sobre sua personalidade, sobre como ela é enquanto ser humano. E isto liberta-nos para sermos amados e nos amar mesmo não sendo “tão bom quanto…” em determinada área, situação ou comportamento.

Quando a pessoa deixa este julgamento sobre si de lado ela está pronta para poder avaliar suas competências de maneira à não cair num julgamento sobre si. Significa entender que você pode considerar alguém melhor do que você em determinada atividade e ainda sentir-se bem consigo porque na verdade entende que são duas coisas distintas.

Abraço

Visite nosso site: http://www.akimneto.com.br

6 Respostas

  1. A cada texto lido, uma certeza de não mais parar! Grande abraço,

    Curtir

    • Oi Rosângela!! Adorei o elogio, obrigado!

      Curtir

  2. Mais um texto excelente!

    Curtir

    • Oi Fernando!
      Obrigado pelo elogio!

      Curtir

  3. Sem dúvida, sofro com essa questão de inferioridade. É um problema que levou a outras situações mais complicadas…
    Trato de depressão a quase 10 anos.
    A coluna é muito útil, embora precise buscar forças para mudar minhas atitudes e forma de pensar.
    Suas colunas são importantíssimas, já que muitas se enquadram na minha realidade. Se Deus quiser, vencerei esses problemas psicológicos, emocionais e psiquiátricos.
    Grande abraço, Dr. Akim Neto.

    Curtir

    • Oi Edson
      Fico muito feliz em saber que você se identificou e que o post o ajuda com seus problemas! Um dos grandes objetivos do blog é exatamente este!
      Vencerá sim, tenho certeza!!
      Abraço

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: