Limites do eu

– Pois é Akim, eu nunca pensei que ir à lugares diferente pudesse ser tão bom!

– É né? O que mais você está aprendendo?

– Então… indo em lugares novos a gente ouve música nova, vê roupas diferentes e conhece pessoas novas também né?

– Hum… pois é, não é?

– É! “Big é” rsrsr… eu comecei a ver que eu era muito limitada sabe? Ao meu mundinho, minhas revistas e tal, aprendi que o mundo é bem maior que eu pensava.

– De fato é, e como este mundo grande está ajudando você?

– A saber que eu posso ser mais… conheci uma menina num café que eu fui que me disse que ela saia sempre e que os pais dela nunca ficaram brabos. Pensa meu pai não ficando brabo comigo saindo… seria um sonho né? E eu descobri que isso existe! Pensa!

– Penso… que diferença isso deve fazer para você não é mesmo?

– Nossa… muita… agora nem me sinto mais tão culpada de sair rsrsr

– Legal!

O que é o “eu”?

Embora seja algo muito claro hoje que o “eu” está relacionado com aquilo com o que conseguimos nos identificar a pergunta que sempre se mantém é: seria a identidade apenas algo “interno”? Como o meu mundo afeta a minha noção de “eu”?

Trouxe o exemplo da cliente acima por um fator simples: ela se sentia uma péssima filha por sair à noite. Porque? No universo de valores da família dela aquilo era visto com maus olhos, era, de fato, algo “tolerado” e não incentivado ou normal. Quando esta menina conheceu um outro sistema de valores as perguntas que ela começou a se fazer foram: “bem, então não sou uma pessoa ruim?” O limite que ela tinha de si aumentou devido à exploração que ela fez do mundo.

Existem pesquisas que mostram que relacionamentos “tóxicos” afetam a qualidade de vida assim como predispõe a pessoa à uma maior possibilidade  em ter um ataque cardíaco. Outras pesquisas mostram que ter pessoas com depressão no seu círculo amplo de amigos – amigos dos amigos – aumenta a sua chance de ter depressão também. Ou seja, não somos apenas um organismo isolado do nosso meio ambiente, assim sendo, a nossa concepção de “eu” também não é.

Isto é diferente de dizer que o meio nos determina, existe uma relação entre o meio e o organismo onde é muito complexo definir qual dos dois possui maior influencia. A menina do meu exemplo poderia ser uma “rebelde” ao invés de uma “péssima pessoa” e raciocinar de acordo com suas próprias ideias. Creio que a relação que a pessoa estabelece com o seu meio é fator fundamental e não um ou outro de forma isolada como forças de oposição.

Assim o nosso “eu” é criado com nossas percepções, pensamentos, emoções, história de vida e com o meio que nos circunda, com as pessoas, com o ambiente e com aquilo que deixamos no ambiente. “Ser” é algo mais complexo do que o organismo ao qual nos acostumamos a nos identificar. De uma certa forma é “pequeno” nos resumir dento de nossa pele quando sabemos que aquilo que está ao nosso entorno também nos define.

Não termos consciência de algo não é um fator que proíbe a identificação como já se sabe, portanto, não estarmos cientes de que algum fator ambiental nos ajuda a perceber quem somos não impede o processo. É importante que as pessoas tomem consciência de quem são em vários níveis, de várias formas e entendam o quanto isso aumenta a sua percepção de eu ao invés de diminuir. O quanto isso aumenta a sua responsabilidade pessoal ao mesmo tempo que liberta também.

E como disse um grande terapeuta uma vez: Não pense que você está limitado ao que você pensa que você é.

Abraço

Visite nosso site: http://www.akimneto.com.br

2 Respostas

  1. Boa noite!

    Um dia ouvi uma história de uma pessoa que fez uma coisa muito roer no passado e isso fazia ela sofre muito hoje eu acho que e meu caso isso não me deixa ser feliz

    DESCULPA ESCREVI TUDO Errado.

    Curtir

    • Oi Maria!
      Não se desculpe, a nossa mente às vezes está assim mesmo: toda confusa.
      Remoer o passado é uma coisa que deixa a gente assim mesmo, ficamos querendo, inutilmente, mudar o que passou.
      Parar de brigar com o passado até é o tema de um dos meus posts, procure lá, quanto mais brigamos com nosso passado, menos vivemos o presente e mais nos arrependemos no futuro.
      Costumo dizer: se vai andar, ande olhando para frente e não para trás!
      Abração!!!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: