Flexibilidade

– Todo mundo reclama que eu sou muito rígido sabe?

– E o que você acha?

– Bem… não posso discordar sabe? Gosto das coisas do meu jeito!

– Sim, já vimos isso aqui não é mesmo?

– É…

– Me conte do que estão reclamando agora?

– Bem, eu estipulei uma metodologia para mantermos um projeto em andamento e as pessoas estão reclamando que o cronograma é rígido demais.

– Perfeito, e eles já ofereceram sugestões de mudanças?

– Sim, mas nem mesmo olhei para elas, o meu jeito funciona.

– Claro que sim. Mas ele será o único que funciona?

– Talvez sim, talvez não

– Quem sabe você poderia pensar no objetivo do projeto ao invés da metodologia do projeto e ver se as sugestões também atendem às demandas?

– É, poderia…

Muito se fala em “ser flexível”, mas o que é isso e quando é realmente importante?

A flexibilidade começa num ponto muito específico – e muitas vezes nada flexível – que é o objetivo. Quando temos uma meta precisamos de comportamentos e recursos para executá-la, se não tivermos estes recursos não vamos conseguir cumprir com o objetivo… OU… vamos flexibilizar o comportamento para criarmos uma forma diferente de alcançar o mesmo objetivo. Entendeu agora porque toda flexibilidade se inicia com o objetivo?

Um comportamento por si só não é “rígido”, ele só se tornará rígido se, para alcançar o mesmo objetivo tivermos várias opções disponíveis e eu sempre escolher uma que não me satisfaz por completo, mas que escolho esta “porque tem que ser esta”. A pessoa flexível tem como premissa básica as suas metas e não os seus meios. Na verdade, ela entende que os meios existe para atingir os fins e que este é o que mais importa.

Pessoas que tendem à rigidez não se comprometem com suas metas e desafios, mas sim com a imagem dos métodos, ou seja, para elas é mais importante demonstrar um papel do que alcançar uma meta. Alguns são tão rígidos que não estão atingindo o que querem mas continuam insistindo na forma porque “tem que ser assim”. A flexibilidade existe, então, para nos ajudar a ajustar os comportamentos e recursos disponíveis para alcançarmos uma meta que é do nosso interesse. O que nos leva a compreender também, que uma vez que não se tenha uma meta específica a flexibilidade não é necessária – ou até mesmo útil: uma pessoa “flexível demais” pode ser a tradução de uma pessoa sem opiniões próprias.

Se você tem problemas em não ser flexível pergunte-se: para que estou fazendo o que faço do jeito que faço? Em outras palavras: o que quero atingir com isso? Qual o meu objetivo? E então pergunte-se: que outras formas posso usar para atingir o mesmo fim? Coloque em prática, experimente e veja se ela pode substituir ou ser adicionada à sua forma antiga.

Abraço

Visite nosso site: http://www.akimneto.com.br

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: