Abrir mão?!

– Pois é Akim, eu entendi, mas assim, não quero abrir mão do que eu faço hoje.

– Entendi, mas assim: você não precisa abrir mão.

– Como não? Não é isso que eu tenho que mudar?

– É sim, no entanto mudar não significa não fazer mais.

– E o que significa então?

– Vamos lá: para que é importante este teu jeitão?

– Ah sei lá… eu acho que é com ele que eu me aproximo das pessoas.

– Perfeito, sendo solicita, aberta, você acaba criando proximidade, que é algo que você quer não é isso?

– Sim!

– O importante então, é fazer a coisa deste jeito ou criar a proximidade?

– Criar a proximidade…

– Perfeito, a única forma de criar proximidade é esta que você usa?

– Não… tem outras, eu não sei usar direito, mas tem outras.

– Ótimo, agora a pergunta importante: quando esse jeitão que você tem hoje é adequado?

– Hum… ah sei lá… algo como se eu conhecer mais as pessoas e já tiver tido um… retorno por parte delas sabe?

– Hum… muito bom! O que você está me dizendo é que é melhor ir com calma no quanto você se doa nas relações e ir aos poucos criando intimidade ao invés de querer ser amiga de 10 anos em 10 minutos?

– (Risos) É… acho que é mais ou menos isso.

– Perfeito, agora você tem um discernimento para quando usar este teu jeitão, o nosso trabalho agora é ajudar você a criar os outros jeitões.

– Tá, entendi!

 

Muitas pessoas tem medo de mudar porque acham que precisam abrir mão dos seus comportamentos ou do seu jeito; que vão, com isso, abrir mão do seu “eu”.

Nada mais equivocado, por vários motivos:

1. Não é necessário abrir mão de nenhum comportamento, apenas adequar o comportamento ao contexto. Todo comportamento pode ser útil em uma dada situação, o grande problema é que nós, seres humanos, nos fixamos em alguns comportamentos e nos tornamos rígidos: usamos o mesmo comportamento em todas as situações e é óbvio que não vai funcionar sempre, daí nos frustramos.

2. Existe uma grande diferença entre o que eu faço e o que eu sou. O nosso eu não se resume na adoção ou recusa de um comportamento. O alcoolista quando para de beber deixa de ser ele mesmo? A pessoa aos 25 mantém os mesmos comportamentos, sonhos e desejos de quando tinha 5? Mudar, adquirir novos comportamentos e perspectivas faz parte do desenvolvimento humano e complementa o “eu” ao invés de “perdê-lo”.

3. Muitas vezes – a grande parte delas – ficamos fixados em um comportamento por algo maior do que “gosto”, geralmente temos medo de evoluir. Acabamos freando a nossa evolução pessoal e a nossa felicidade muitas vezes por medo de experimentar o novo.

Então, se você está com medo de mudar pense bem: “será que você precisa abandonar um comportamento ou apenas usar ele em contextos mais adequados?”; “Será que o seu “eu” vai se perder de fato ou será que você apenas estará abraçando uma perspectiva mais abrangente de você mesmo?”; “o que você faz hoje e não quer mudar é porque está funcionando 100% para você ou você simplesmente tem medo, receio das conseqüências de fazer diferente?”

Abraço

Visite o nosso site: http://www.akimneto.com.br

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: