O que não quero querer?

– Então, quero que você me ajude a diminuir a bebida.

– Entendi.

– É sério, eu já não consigo mais lidar com isso. Meu pai e minha mãe não sentem segurança em mim por causa disso.

– Sim, eu imagino.

– Então… é isso. Não quero mais beber.

– Ótimo… se você não bebesse mais, o que faria?

– Como assim?

– Hoje você tem o comportamento de beber não é? Se você não o tivesse o que teria que fazer? Por exemplo, nesse último caso que você me contou me parece que estava bem aborrecido com o seu trabalho e depois disso foi beber não é?

– É.

– Se você não fosse beber, o que teria feito?

– Hum…

Muitas vezes observamos apenas o que não queremos mais. No entanto este não é o caminho para a mudança.

Quando pensamos em termos do que não queremos não estamos nos dando uma direção. É apenas quando dirigimos nossa mente em prol do que desejamos fazer que podemos começar a criar uma trilha mais adequada para nós.

A pessoa do exemplo aprendeu a colocar limites, dizer o que sente, confrontar situações que ela não concordava, estabelecer objetivos e prioridades pessoais entre outras competências que a ajudariam a lidar com as situações em que ela antes resolvia bebendo para se sentir forte e anestesiada frente ao problema. Se ela “parasse” de beber não seria em nada proveitoso para ela.

E você? O que você realmente deseja evoluir?

Abraço

Visite também o nosso site: http://www.akimneto.com.br

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: